P. Riscada

P. Riscada
Pedra Riscada, um gigante de Minas

Ipê

Ipê
Paisagem com ipê florido

Paisagem com cáctus

Paisagem com cáctus
As grandes montanhas, as serras , os vales

Torre

Torre
A santa cruz do Norte

quarta-feira, 29 de junho de 2011

O grande artesão do Rio Norte



No número 152 da Rua Teófilo Otoni, em Ataléia, localiza-se o ateliê do escultor Násser Gazel. É nessa pequena oficina de acabamento simples, bem ao estilo desse artista admirador de Mestre Vitalino , que a argila do Rio Norte chega em sua forma bruta. Depois de tratada com o devido cuidado, vai tomando vida aos poucos,  até ser transformada definitivamente em obra de arte. Artista dotado de grande consciência social e política e também de sensibilidade musical e poética, Násser representa o artesão pertinaz das margens do Rio do Norte. É também um violeiro, um cantador e contador de casos da velha Santa Cruz do Norte. Em seu trabalho, é possível ver a presença do caipira do campo e da cidade, ver a rusticidade de nossos casebres de taipa e demais construções , vivenciar nosso folclore e nossas lendas , enfim, perceber e valorizar nossa cultura interiorana. O escultor dá forma também a personagens da história brasileira e universal, além de criar belas mandalas de inspirações diversas e demais objetos de arte. Peças desse artista plástico ataleense se encontram espalhadas por diversos cantos do Brasil e também em países, como Japão, Alemanha e Estados Unidos, entre outros. Filho de um imigrante libanês e neto de um colonizador da cidade de Ataléia, Násser traz nas veias diversas tendências e explora, ao mesmo tempo, o tema universal dos grandes viajantes e conquistadores e o tema do obstinado homem simples preso à terra, que trabalha seu quinhão de sol a sol, irredutível, valente, orgulhoso de seu torrão. Daí vem toda sua veia de inspiração. Nas paredes e prateleiras do velho ateliê da Rua Teófilo Otoni, um pouco da história desse inspirado artista e de sua cidade é miniaturizado e imortalizado em argila. Abaixo, algumas imagens de sua obra. Clique para visualizar em tamanho maior.

domingo, 26 de junho de 2011

Um túmulo de madeira



Recentemente, no cemitério municipal de Ataléia, uma morte causou consternação a muitos moradores. Porém, não se trata de vida humana. Na verdade, uma centenária e portentosa peroba foi posta abaixo no interior do cemitério. E, no lugar onde se via o frondoso ser que oferecia boa sombra e beleza ao local, resta apenas alguns centímetros do grosso tronco marcado pela ação da impiedosa serra. E o pó da serragem, lançada como sangue em seu redor, triste e inutilmente, procura desenhar a sombra que o saudoso ser proporcionava. Entretanto, resta ainda outras perobas no interior do cemitério, dando um toque de alegria naquele ambiente de lamúrias, ornando altivas, vegetando, nativas, balaçando solidariamente seus galhos, com raízes entranhadas, agarradas em profundo abraço naquele solo de tantas perdas e tantas lamentações. Esperamos que não se permita mais as derrubadas das vivazes perobas habitantes do cemitério municipal.

Foto: Renato Teixeira 

sábado, 25 de junho de 2011

Haras Flamboyant






Na altura do quilômetro 9 da MG-412, no município de Ataléia, localiza-se o Haras Flamboyant. Suas instalações estão alojadas na sede da fazenda Coqueiro, uma das mais antigas propriedades rurais do município. A fazenda foi fundada em 1925, pelo Sr. Manoel Alves Teixeira, antes mesmo da criação do antigo povoado de Santa Cruz do Norte, que mais tarde se desmembraria do município mineiro de Itambacuri, transformando-se na cidade de Ataléia. Hoje, a propriedade pertence ao Sr. Otacílio Alves Teixeira, que destaca-se como criador de gado leiteiro. O haras, instalado na sede da fazenda desde 2007, pertence a seu filho César Ferrari Teixeira e sua esposa Alessandra Medina Teixeira, ambos médicos, que dedicam com paixão a esse projeto. O Haras Flamboyant trabalha exclusivamente com puro-sangue da raça mangalarga marchador. Com um plantel de mais de vinte animais de excelente qualidade,  e dotado de boas instalações em espaço privilegiado em funcionalidade e beleza, o Haras Flamboyant é um empreendimento de sucesso, apesar do pouco tempo de fundação. Com um criterioso trabalho, os proprietários vêm selecionando e utilizando matrizes e reprodutores, num programa de criação de equinos de qualidade. O plantel conta com o garanhão Jogo do Qihai, reprodutor de excelente genética, várias éguas, além de potros e potras produzidos no haras, como Balada do Flamboyant, Bambina do Flamboyant, Beleza do Flamboyant, entre outros. Conta também com o excelente potro, o futuro reprodutor Catuni Zorro, que fará a cobertura das fêmeas nascidas no haras. O Mundo das Montanhas esteve na Fazenda Coqueiro para uma breve visita vespertina. Nossa equipe, que contou com Samuel, Renato, Gabriela, Dannilo e Igor, retornou impressionada com a competência e o empenho empreendidos pelos proprietários no trabalho de aperfeiçoamento genético de seu plantel. A fazenda é um lugar muito agradável, com sede rodeada por coqueiros, árvores nativas e exóticas, diversas plantas ornamentais, lagos e fauna avícola abundante. Belo local, belos animais. Parabéns a todos do Haras Flamboyant!              
Otacílio Alves Teixeira

Dr. César Ferrari observando os potros

A paz no Haras Flamboyant

Dra. Alessandra cuidando dos animais
 Beleza do Flamboyant se aquecendo no redondel

Haras Flamboyant - Vídeo: Mangalarga marchador


Vídeo produzido pelo Haras Flamboyant em 2011, apresentando um de seus animais da raça mangalarga marchador em exercício no redondel na Fazenda Coqueiro em Ataléia.

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Montanha Verde ou pedra do Sr. Delson



A Pedra do Sr. Delson faz parte do conjunto de montanhas que cerca a cidade de Ataléia. Por trilhas de fácil acesso, a subida a essa pedra leva em média duas horas e meia, sendo, porém, um passeio saudável e prazeroso. Seu ponto mais alto, com mais de oitocentos metros de altura em relação ao nível do mar, oferece boa vista aos montanhistas, que podem visualizar a cidade de Ataléia, serras, vales e rios, além de possibilitar uma visão longínqua da Serra do Pitengo, em Itabirinha, e da Pedra Riscada (veja matéria neste blog), entre outros atrativos . Um fio d´água perene precipita-se montanha abaixo, oferecendo uma oportunidade para quem quer se refrescar ou matar a sede. Em seu cume, uma sedutora mata oferece farta sombra aos visitantes, onde, sob as altas árvores, inúmeras plantas ornamentais vegetam: orquídeas, bromélias, coqueiros, samambaias, trepadeiras, entre outras. Vale a pena visitar esse tesouro.

Fotos: uma turma especial nas montanhas de Ataléia

                                                    (**) Momento de meditação  

Em julho de 2010, no terceiro e último dia de confraternização da família Alves Teixeira em Ataléia, foi organizada  uma expedição rumo ao topo de uma de nossas montanhas. Escolhemos a Pedra de Sr. Delson, uma das mais belas e de onde se tem uma das melhores vistas da região. Assim, rumamos em direção ao cume desse grande monte, de onde pudemos contemplar o magnífico panorama, cenário de paz e belezas raras. Em contato direto com a natureza, respirando um ar de pureza incontestável, nos deparando com belezas naturais múltiplas e mirando ao longe a pequena cidade, passamos algumas horas distante dos aborrecimentos e dos problemas do dia-a-dia, apenas curtindo a paz milenar das montanhas, meditando, contemplando, absorvendo toda mágica energia existente naquele rústico templo desenhado pelas mãos caridosas e eternas da mãe natureza. Além de imagens minhas, esta postagem possui fotografias de autoria de Marília Alves Teixeira (*) e Dannilo Alves da Silva (**). Clique nas imagens para ampliar.

                                                                        
                                                                           (*)
                                                                       

(*)





                       

(**)
(**)
(**)
(**)
(**)